quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

PMs de UPP são acusados de espancamento horas antes de tentar matar cabo da Marinha

Sargento da Marinha prestou depoimento contra PMs 
Sargento da Marinha prestou depoimento contra PMs
Os dois PMs da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Fazendinha presos na manhã de ontem por uma tentativa de homicídio contra um cabo da Marinha na saída de uma boate no bairro de Colégio, na Zona Norte do Rio, também são investigados por um outro crime cometido horas antes. Os soldados Carlos Antônio Monteiro de Souza Junior e Thyago Ivan da Silva são acusados pelo sargento da Marinha Gilberto Vieira de o terem espancado num pagode em Olaria por volta das 22h do dia 20 de dezembro. o crime contra o cabo foi cometido às 4h do dia 21. O caso é investigado pela 22ª DP (Penha).
— Eles me abordaram quando eu saía do banheiro, disseram que não gostavam de militares da Marinha e xingaram minha instituição. Eu respondi e acabei espancado, todo ferido. Depois que afastaram eles de mim, me ameaçaram e disseram que iam me matar. Antes de eu ir embora para o hospital, disseram que já tinham pegado um marinheiro e que iam pegar mais um. Era o Frederico — afirmou o sargento, que foi encaminhado para o Hospiral estadual Getúlio Vargas.
O cabo Frederico Leon Vidal Pedrosa foi alvo de oito disparos ao sair da casa noturna Turiba 22, na rua de mesmo nome. Três dos disparos acertaram o militar. De acordo com o delegado Wellington Vieira, da 40ª DP (Honório Gurgel), que investigou a tentativa de homicídio, o motivo do crime foi passional: o militar era ex-noivo da atual mulher de um dos PMs.extra

Nenhum comentário: